O2 é achado no espaço pela primeira vez

Ilustração do oxigênio sobre a foto da região de Orion.
Pela primeira vez, astrônomos dizem ter detectado com absoluta certeza a presença de oxigênio molecular no espaço.Usando o observatório especial Herschel,  a equipe liderada por Paul Goldsmith, da Nasa, encontrou a presença do O2 próxima ao complexo de Orion, um nuvem formadora de estrelas repleta de gás e poeira a 1500 anos-luz.

O oxigênio, em todas as suas formas, é o terceiro elemento mais abundante no Universo e fundamental para a vida no nosso planeta. Nós respiramos a sua forma molecular, ou seja, dois átomos de oxigênio unidos (02), que compõe 20% do ar na Terra.

As moléculas do gás estavam em uma concentração de uma para cada um milhão de moléculas de hidrogênio – uma abundância bem menor do que o esperado.

O, O2, oxigênio

Outra forma de oxigênio há muito foi detectada em regiões quente do espaço – o atômico. No entanto, mesmo essa contagem se mostrava muito baixa para o que os pesquisadores estimavam existir – o que levantou a pergunta: onde está todo o oxigênio?

Uma das possibilidades levantadas pela equipe da Nasa é a de que os átomos de oxigênio congelassem em pequenos grãos de poeira que flutuam no espaço – ou seja, fossem unidos ao hidrogênio para formar moléculas de água (H20) congelada. Isso explicaria porque eles não apareceriam nas detecções.

Se isso fosse verdade, o  gelo deveria evaporar nas regiões quentes do cosmos, devolvendo o oxigênio ao ambiente e permitindo que ele fosse detectado. Partindo dessa teoria, os pesquisadores apontaram três instrumentos infravermelhos para Orion – uma região quente.

Embora tenham conseguido detectar a presença de O2, as buscas pela compreensão da química do universo continuam – só que, agora com uma certeza: existem moléculas de oxigênio fora da Terra.

Fonte:http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/o2-e-achado-no-espaco-pela-primeira-vez-01082011-27.shl

O oxigênio, em todas as suas formas, é o terceiro elemento mais abundante no Universo e fundamental para a vida no nosso planeta. Nós respiramos a sua forma molecular, ou seja, dois átomos de oxigênio unidos (02), que compõe 20% do ar na Terra.

As moléculas do gás estavam em uma concentração de uma para cada um milhão de moléculas de hidrogênio – uma abundância bem menor do que o esperado.

O, O2, oxigênio

Outra forma de oxigênio há muito foi detectada em regiões quente do espaço – o atômico. No entanto, mesmo essa contagem se mostrava muito baixa para o que os pesquisadores estimavam existir – o que levantou a pergunta: onde está todo o oxigênio?

Uma das possibilidades levantadas pela equipe da Nasa é a de que os átomos de oxigênio congelassem em pequenos grãos de poeira que flutuam no espaço – ou seja, fossem unidos ao hidrogênio para formar moléculas de água (H20) congelada. Isso explicaria porque eles não apareceriam nas detecções.

Se isso fosse verdade, o  gelo deveria evaporar nas regiões quentes do cosmos, devolvendo o oxigênio ao ambiente e permitindo que ele fosse detectado. Partindo dessa teoria, os pesquisadores apontaram três instrumentos infravermelhos para Orion – uma região quente.

Embora tenham conseguido detectar a presença de O2, as buscas pela compreensão da química do universo continuam – só que, agora com uma certeza: existem moléculas de oxigênio fora da Terra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s